quarta-feira, 24 de junho de 2015


Os cabelos claros por entre os dedos, os lábios rosados e o toque da pele fininha, salpicada por algumas sardas. O cheiro doce junto ao pescoço e a curva do ombro macio. O boca-a-boca de chocolate com pimenta, porque o querer tem a sua própria forma de falar, e não, nem sempre é suave como a cor de leite da tua carne.
Esquecemos a vida por um instante. Outras febres, outros mares de loucura. Criamos um tempo nosso, onde mais ninguém descodifica o mais ínfimo sinal, porque eles...não somos nós. 
As cores são muitas para quem tem o mundo a pulsar dentro do peito...