sexta-feira, 2 de outubro de 2015

O suspiro por um breve instante. Antes de pagar com o corpo a adrenalina que agita o sangue por mexer com as loucuras do mundo, todos os dias. 
Apaga-se a insanidade cinzenta e acende-se o vermelho que arde e queima. Há coisas para as quais nunca perdemos o jeito. Há coisas para as quais nunca perdemos a vontade, não interessa o quanto já saibamos delas.
A ´guerra´ é para deixar marcas. Para satisfazer sem pensar. Para purgar na outra carne, demónios de quem nem se conhece bem o nome, mas que são tão reais. Como eu...e tu.
Na paixão há sempre algo de violento, e talvez por isso, sejamos sempre tão insaciáveis por ela. Águas calmas não inspiram ninguém...
Tratemos da fome.
Logo, teremos tempo para o amor.